domingo, 12 de maio de 2013

O Salto



O salto

As vezes me pego pensando em algumas questões passadas despercebidas por uma grande parte de pessoas nos dias de hoje. Vivemos em uma sociedade onde corremos contra o tempo. A vida profissional, familiar e social, as vezes não nos dá tempo para refletir sobre algumas questões. Claro que, somos condicionados a isso; basta mudar um pouco nossa rotina que vamos começar a filosofar mais.

Eu nasci da década de 70, e lembro de algumas coisas da minha infância. O mais impressionante é o salto tecnológico da humanidade; que, apesar de veloz, nos dá a sensação de longevidade. Vamos lá para algumas lembranças:

1- Televisão era novidade, e coisa de família de posses; imagens em preto e branco, em uma tela curva e sem nitidez; ficávamos sintonizando manualmente e rodando a antena para ter uma imagem melhor. Hoje temos televisores que cabem na palma da mão em HD e cada vez mais nítida sem auxilio de antena externa. As cores mais definidas, e ainda por cima a interatividade com programas em tempo real.

2- Telefones nem pensar. A ideia de falar com alguém bem distante era muito estranha. Usávamos cartas. Quem tinha um vizinho rico ainda podia pedir o favor de receber ou fazer uma chamada para um parente em outra cidade. Não existia telefones públicos, utilizávamos uma central telefônica do governo; com filas quilométricas e chamadas caindo e se repetindo frequentemente. Lembro nitidamente que quando assistia filmes com telefones em automóveis, achava que aquilo era coisa de "outro mundo", coisa para o ano 2080. Logo depois, do nada, de uma hora para outra eis o celular! Aquele tijolão analógico que ficava 3 dias carregando. Hoje, todos e qualquer um possui telefone, e celulares digitais! Que interagem virtualmente com tudo; fotografam, filmam, gravam etc.

3- Computadores, minha nossa! Esse sim era coisa impossível. Até nos bancos tudo era escrito e levava dias para serem organizados. Apenas Órgãos do governo tinha centrais de computadores e que não se utilizavam de programas tão desenvolvidos. Hoje temos computador até nos celulares, e a cada dias se tornam mais potentes e cheios de recursos tecnológicos.

A cada dia de avanço, a cada nova tecnologia, as pessoas se tornam mais distantes umas das outras; se tornam mais máquinas. O engraçado disso tudo é que, igual a uma criança com um brinquedo novo, o Ser humano não pára para se perguntar: de onde surgiu isso? Apenas encantado com a novidade, se diverte, brinca, exibe seu brinquedo.

Fico a imaginar: somos mesmo um bando de marionetes! Como, em tão pouco tempo, a humanidade dá um salto tecnológico tão grande, e ninguém percebe, ninguém questiona? Por que, junto com os avanços tecnológicos, as empresas não expõe o "inventor" delas? Apenas grandes "empresas" estão por trás dos lançamentos. Como o Ser humano é capaz de armazenar informações gerais sobre uma civilização inteira em um pequeno pedado de silício e cobre, como os chips?

Não sou "conspiracionista" (heheheh), mas vale a pena as vezes parar e analisar as coisas que acontecem a nossa volta e não percebemos. Como estamos condicionados ao comodismo, a tecnologia vem a cada dia nos tornando ainda mais dependentes desses brinquedos maravilhosos. E como crianças, desprotegidas, diante dos brinquedos perigosos, vamos a cada dia nos ferindo mais.

Só não vi ainda as cidades aéreas dos Jacksons, carros voadores, tuneis de vácuo para transportes... mais já deve existir por aí; que o diga Dubai. E só em pensar que ainda existe grupos/tribos isoladas que nem conhecem um simples relógio de corda.

Só sei, que ainda quero viver mais para assistir o desfeche desse salto acrobata que a tecnologia está dando, digna de medalha de ouro nas olimpíadas galáticas.

By Robson Miranda (Luqiam)

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Adivinhação e Previsão



Adivinhação ou Previsão

Hoje em meu consultório, conversando com uma amiga, tive um feedback positivo de meus atendimentos, fiquei muito feliz em poder ter ajudado, e durante a conversa ela citou o nome de uma pessoa que "jogou" para uma outra pessoa e teria dito que o marido estava a traindo. Bem, a cliente deve ter contado para o marido, e este, extremamente aborrecido, foi ao local de atendimento do "profissional" e tentou agredi-lo. Imaginem que situação.

Então,pensei em escrever este texto para expor o que penso a respeito, como deve ser o posicionamento de um oraculista. Usei este tema, pois considero que exista uma enorme diferença entre adivinhação e previsão.

Primeiro quero deixar claro que considero os dois mecanismos válidos, e não estou desenvolvendo críticas e sim esclarecimentos. É de extrema importância que o profissional determine uma linha objetiva na condução de sua interpretação no oráculo. A mistura de métodos pode criar confusão, principalmente para o consulente; pois este, a depender do estado emocional, pode interpretar as mensagens de maneira truncada.

Adivinhação é a arte de profetizar através da intuição ou pressentimento situações que estão por vir, por sinal muitas vezes incertas; ou determinar motivos ocultos relacionados ao futuro. Adivinhos geralmente possuem ligações estreitas com sendas espirituais, e se utilizam basicamente da "transmissão espiritual"; para isso não precisam de instrumentos oraculares; pois, teoricamente, possuem contato direto com o "plano invisível". Os adivinhos transmitem mensagens ao tocar o consulente, a observar as energias envolta do consulente, ao olhar nos olhos do consulente, etc.

Previsão, como o próprio nome já diz é uma pré-visão - anunciar com antecedência um determinado acontecimento através da observação de padrões construídos ou o decorrer de acontecimentos. Isso também se torna as vezes incerto, pois outros fatores repentinos podem mudar o curso da história. Um exemplo claro é de um meteorologista, que observa os ventos, as massas frias e quentes, a velocidade, padrões que irão determinar que haverá chuva ou não em determinada região e em determinado dia. Ele não advinha, ele estuda e transmite a informação, que muitas vezes pode não acontecer exatamente. Isso é o que um oraculista faz, ele observa através do oráculo, os padrões criados ou que estão em desenvolvimento, e expõe uma opinião pessoal em que pode resultar determinados acontecimentos. Seja pelo o estudo de arquétipos ou meramente por equações numéricas, estudadas com precisão e responsabilidade.

É extremamente delicado lidar com os problemas dos outros, e sabemos que quando alguém nos procura quer sair de nossa mesa com uma resposta ou posição. Ter, no mínimo, um bom senso é extremamente indispensável para qualquer oraculista ou adivinho. Saber usar as palavras com cautela, pode evitar situações como a citada no início da matéria.

Infelizmente, a popularização dos métodos oraculista, levam muitas pessoas despreparadas a se utilizarem de nossa profissão, sim profissão!, de maneira errônea, o que vem causando muitos transtornos e banalização do oráculo.

Ser um bom profissional requer tempo e estudo, e olhe que nunca sabemos tudo. A cada abertura de meus oráculos eu aprendo uma coisa. Me indigna tipos de situação, onde, sem nenhum embasamento algumas pessoas se acham no direito de expor situações delicadas de maneira tão grotesca. Não estou generalizando, me refiro a este fato comentado hoje em meu consultório, onde o referido "oraculista" já tinha a fama de criar certos tipos de situação para tirar proveito financeiro das clientes. E deu nisso!

Então, caros irmãos na Arte e estudantes, vamos ter em mente certos critérios de como conduzir nosso trabalho. Seja qual for a situação exposta devemos saber como transmitir a mensagem.

Não sou adivinho, e não tenho a mínima pré disposição para tal; sei que existem ótimos adivinhos. Sou oraculista e conduzo minha leitura e interpretação pelos métodos de aconselhamento, sempre deixando claro ao consulente que fatores externos e alheios a nossa própria vontade pode mudar algumas pré-visões. Uso minha intuição somando a percepção da leitura, mas nunca para adivinhar o futuro do consulente. O oráculo nunca mente; algumas pessoas é que as vezes não consegue interpretar detalhadamente algumas situações.

Oráculo e Vidência não são brincadeira! Tenhamos consciência disso.

By Robson Miranda (Luqiam)

Os Pássaros de Lenormand




Os Pássaros - observem a pluralidade. No baralho Lenormand os naipes vem acompanhados de imagens justamente para acrescentar um simbolismo a mais na interpretação, nada foi constituído por um acaso, e se forem observar, muitas vezes o significado dos naipes são antagônicos as interpretações usuais das imagens.

Os pássaros é uma carta interessante por conta de sua multiplicidade de imagens - baralhos com corujas,andorinhas, gaivotas. Voando, pousadas, construindo ninhos e etc. Isso considero fascinante, pois nos traz uma gama de informações e leva a cada um, pessoalmente, interpretar sua consulta de formas diferentes. Particularmente uso e adoro a imagem "original" de duas andorinhas (French Cartomancy) uma voando, construindo o ninho e outra pousada, observando. Mas, como possuo e as vezes uso outros baralhos, vou expor minhas considerações à base de alguns baralhos que possuo.

A maioria do 7 de ouros dos baralhos Lenormand são representados por duas aves, e isso tem seu significado também. Assim temos uma imagem que envolve dois personagens. No caso do baralho com as andorinhas, citado anteriormente, uma está voando com um galho no bico, entendendo-se construir seu ninho; enquanto a outra pousado sobre o ninho a observa. Esta imagem me transmite a mensagem de que para a construção de algo as vezes é necessária uma orientação, uma observância por parte de alguém - possivelmente mais experiente. Neste caso, há uma conotação de aves que vivem em bandos, onde a influência de um segundo personagem é necessária para a sobrevivência.

Observem sempre, que as aves estão livres, em sua maioria voando. O que nos remete a sensação também de liberdade, migração, caça, ou simplesmente voando.

Alguns baralhos apresentam essas aves construindo seus ninhos, ou pousadas em árvores; apesar de, em algumas, elas estarem voando sobre as nuvens (não gosto). Mas, como disse, as imagens vão trazer interpretações múltiplas. Nos casos de baralhos onde estas aves estão dividindo o espaço com uma árvore, ou até mesmo um rochedo, pode nos remeter a mensagem de construir algo em lugar sólido, firme. Pois mesmo estando "nas alturas" em qualquer situação é necessário estar sempre enraizado em alicerces sólidos e firmes. Afinal de contas não queremos viver apenas de sonhos. Os pássaros não voam constantemente, necessitam parar e descansar; e isso está representado pelo sete de ouros, quando se torna necessário tomar novos rumos e buscar a estabilidade. Por estar representada por um naipe de ouros, nos traz a tona uma observação mais detalhada com os caminhos materiais; apesar de não se tratar de uma regra absoluta. A cada questionamento, seja qual for a situação, a carta deve trazer respostas relevantes ao assunto abordado.

Como pode-se observar, a postura das aves no Lenormand nos leva a considerar outros fatores. Por exemplo: Temos os pássaros voando, e temos as corujas pousadas. Dois comportamentos distintos, duas naturezas distintas. Talvez por este motivo, eu particularmente, interprete-as diferente.

Nas andorinhas vejo a ação, liberdade, construção, migração (mudanças temporárias), alegria, ensinamento e orientação (por parte da ave pousada).

Nas corujas vejo a vigilância, atenção, observância, as vezes certa agressividade. E por se tratar de um ave noturna e carnívora, seu comportamento é muito mais arisco oculto do que as andorinhas, que são diurnas e ativas e divertidas. A coruja nos remete ao silêncio, talvez agir com sapiência, de maneira sigilosa. As andorinhas nos remete a algazarra, cantorias; um sentido totalmente oposto a da coruja, e neste caso a conversação e parcerias tenham um significado muito maior. Só lembrando que, corujas tem hábitos solitários, andorinhas não.

Apesar de figuras e comportamentos distintos, a carta do sete de outros nos mostra a necessidade de lutarmos por algo mais sólido, algo que nos traga um sentido de segurança, nos tirando dos altos e baixos da vida. O sete de ouros pode nos levar a voar em busca de nossos sonhos mais concretos. Talvez a grande lição "Lenormandica" seja descobrirmos que pássaro somos. Vamos buscar nossa segurança como corujas ( carnívoras, agressivas, observadoras e noturnas ), ou vamos buscar longe como as andorinhas ( alegres, piadeiras, diurnas ).

O grande segredo é não nos sentirmos presos, seja qual ave for representada, vai ter sempre asas. E asas foram feitas para Voar.

By Robson Miranda (Luqiam)

segunda-feira, 6 de maio de 2013

A Raposa (14 do Lenormand)




É impressionante como a figura da raposa, quando aparece em uma jogada, causa certa apreensão. Principalmente ao consulente, que já tem incutido em sua memória cultural o simbolismo como sendo da "traição". Todos nós temos medos de ser traídos, uma fobia comum; mas que não passa na realidade, do medo de nossos próprios fracassos. Quando somos traídos tendemos a culpar o outro, e muitas vezes não paramos para perceber nossas próprias ações, que muitas vezes levam-nos a tomar uma "rasteira" da vida, seja no emocional, material ou social. Mas vamos deixar essa coisa de traição para lá. O tema é a raposa.


Essa fascinante criatura nos passa uma gama de informações psico comportamentais que devem ser levadas em consideração em uma leitura. Afinal as imagens não estão atoa no Lenormand, tudo tem seu simbolismo. Lembrando que, estes textos são uma visão pessoal e devem ser consideradas como tal. As questões, quando colocadas diante do oráculo, devem ser claras e objetivas, para que a mensagem não dê margem para outras especulações.

A Raposa é um animal de hábitos interessantes. Do grupo dos Canidae, o Alopex (raposa) não vive em grupos ou matilhas, são animais solitários. Extremamente hábeis, procuram capturar sua caça viva, e nunca desperdiçam nada, guardam para depois. Sua agilidade e faro a fazem um caçador exímio, sempre pegam suas vítimas de surpresa e muitas vezes com auxilio de armadilhas naturais. Portanto, as caças devem estar sempre alerta. O que se aplica a tudo e todos. Uma situação em que a raposa está circulando, nos trás a necessidade de estar atentos ao que não podemos ver, mas que está nos observando. Isso não significa uma situação imediata, haja vista a raposa levar até meses estudando os hábitos de sua caça. A raposa na leitura pode significar tanto o risco iminente, quando o premeditado, ou as vezes, apenas a observação de alguém sobre nós.

A raposa é uma caçadora solitária, portanto não precisa de um grupo para atacar. No ponto de vista oracular deve-se ter essa observação. Pois aquilo que vai lhe pegar de surpresa, pode na maioria das vezes, estar fora do seu convívio pessoal - de uma matilha. Ser algo ou alguém que chega repentinamente.

A raposa não tem hábitos gâmicos, o macho só procura a fêmea para acasalar, fica um tempo sustentando a família, geralmente por poucos meses, e depois vai embora. Esse comportamento animal pode sinalizar uma situação amorosa onde um dos envolvidos não esteja interessado em ligações emocionais, e sim extintivas. Nestes casos não considero uma traição, desde que não haja comprometimentos entre ambas as partes. Entretanto, levando em consideração o extinto e possivelmente o descuido, uma "puladinha de cerca" pode desencadear uma gestação, e aí a coisa complica, pois não há só uma quebra de fidelidade e sim de lealdade.

Outro aspecto interessante vem pelo lado cultural dos ciganos nômades da Eslováquia, que consideravam a raposa um animal sagrado - suas habilidades de guarda era utilizada com frequência, substituindo cães, pela resistência a baixas temperaturas. Por isso também usadas como as guardiãs dos segredos e de alguns altares ciganos ancestres. Algumas raposas do norte da Europa instintivamente reconheciam ervas e tubérculos que as curavam de feridas e enfermidades. Isso estranhava alguns, pois se tratando de um animal carnívoro, como as vezes se alimentava de ervas? Esse comportamento, como dito, é instintivo e não se aplica apenas as raposas, alguns cães também a praticam. Mas isso nos leva a uma observação de outro aspecto a ser considerado em leituras, caso estejam ligadas a saúde do consulente. A raposa é especial em vários aspectos, e se tratando de saúde, ela pode ter o conhecimento necessário para uma cura ou tratamento eficaz. Eu costumo associar a raposa, nas questões de saúde, ao médico especialista em determinada área.

Bem, é uma carta bem complexa, e só as experiências pessoais de cada um pode determinar uma interpretação própria dentro de cada realidade. Afinal de contas ultrapassar nossos desafios, focar, observar, estar atendo nunca é demais. Vamos lembrar que a vida é uma eterno ciclo de mudanças, estar firme pelo 9 de paus é fundamental, mas resistir as mudanças pode ser perigoso, pois se criarmos hábitos e rotina a raposa vai ter facilidade em nos caçar. Ela é astuta, persistente, vigilante, sábia, mas a facilidade que a vítima dá a ela é justamente o padrão construído.

sábado, 4 de maio de 2013

O Cavaleiro de L'Normand



O Cavaleiro - príncipe encantado, guerreiro, mensageiro, jóquei... 


Engraçado como o simples fato de montar em um cavalo, nos torna "tão especial". No fim das contas, nada mais é do que a extensão de alguns atributos com a ajuda de um animal de porte. Então, vamos falar da figura principal nesta carta - o cavalo! Ou, no mínimo a ação do coadjuvante - Cavalgar.

Por ser a primeira carta do baralho, vem sempre como um sinalizador de "inícios", uma carta que implica em ação; a ação de conquistar, enfrentar, competir. Até aceito, que em alguns casos, possa simbolizar a "mensagem chegando" (junto ao envelope/carta). Mas é no aspecto da ação que me projeto mais.

Essa carta torna o Cavalheiro (28) mais "poderoso", pois ele adquiriu potenciais que não são só humanos, mas também animal.Vamos lembrar que o cavalo sempre foi um animal adorado e venerado por diversas culturas, e ainda hoje o temos como uma ferramenta importante em algumas regiões. Cavalgar nos dá velocidade, força, altura, postura; sem contar na sensação de superioridade sobre um Ser, quando adestramos e guiamos as rédeas com habilidade.

Sinto nesta carta a necessidade de ação, a partida para algo além de nossas possibilidades natas, na qual necessitamos de uma extensão animal, que pode ser o extinto, para nos sentirmos fortes, corajosos e hábeis.

Brinco com a união dos dois elementos da carta na composição de copas - 8 membros + 1 vontade/controle/unica ação, e aí temos o 9, de copas, do cavaleiro - sua felicidade, sua satisfação, seu equilíbrio. Provavelmente esse cavaleiro tem Júpiter em Peixes.

Um cavalheiro, cavalgando em busca de algo que o levará a realização pessoal, independente de qual aspecto.
Mas, também vamos lembrar que nem todos sabem cavalgar, e só quem já caiu do cavalo sabe a dor. Para uma cavalgada excelente e segura é necessário uma preparação prévia : domar o animal, selar, e montar adequadamente; e isso, com toda a certeza, leva tempo. Nossa felicidade e realização requer uma ação, e ao mesmo tempo, uma preparação. A paciência também é um dos atributos que compõe essa carta.

Uma ação despreparada só nos levará a queda. Então, vamos primeiro, escolher nosso cavalo, pangaré, pônei, jumento... e prepará-lo para o melhor possível. Assim conquistaremos nove taças cheias de felicidade e realizações.

By Robson Miranda (Luqiam)