terça-feira, 7 de agosto de 2012

A Torre




Nascemos como O Louco, sem a mínima noção do que nos vamos tornar. Mas quando tomamos consciência de nossa vida começamos a criar nossa personalidade, nossas bases. Acredito que nesse momento a Torre começa a ser levantada a nossa volta. Lembremos que a Torre é a única construção humana nos arcanos, e isso denota a necessidade de procurarmos uma fundação sólida para que ela seja segura; o que, muitas vezes não é fácil. Cada tijolinho dessa Torre é composto por nossas vitorias, fracassos, medos, máscaras, mentiras – elementos que compõe nossa vivencia diante dessa sociedade e do meio familiar, que são na realidade a base de toda nossa formação. Indubitavelmente a Torre uma hora vai ter que ruir, seja por ataques ou mesmo pelo tempo com sua erosão natural. Acredito que o grande desafio neste momento é saber lidar com essa destruição e se preparar para a reconstrução, pois a Torre de forma consciente ou inconsciente se torna nosso porto seguro. É importante salientar também a importância de sermos verdadeiros conosco, pois levando em conta a originalidade desse arcano – ”A Casa de Deus”, nos remete a queda dos dogmas impostos pela Igreja com base em suas mais diversas mentiras; e nos faz lembrar a importância de sermos verdadeiros com nossos conceitos e pensamentos, pois a partir do momento que começamos a mentir para nós mesmos, deixamos rachaduras nessa Torre e facilitamos a sua queda, que, como fator externo pode ser os véus de Maya de nossa personalidade, a falta de ética, as mentiras e nossos ideais arcaicos.
Percebo a Torre como uma necessidade na nossa vida, pois somos impelidos sempre a construir padrões de comportamento e pensamentos, que consequentemente serão atualizados ou modificados por experiências externas. Não vamos ser hipócritas. Todos nós temos nossas Torres, e elas devem ser construídas e derrubadas, dando sempre lugar às reformas necessárias em nossa vida.
A presença da Torre indica sim a queda, a destruição – necessária! Quando chegamos aos limites de nossos comportamentos, e somos forçados a mudar essa Torre de lugar ou de forma, pois ela sempre estará presente e teremos que nos acostumar com sua presença.